ad valorem

Participação Cívica

ad valorem

As reuniões da Câmara Municipal de Estremoz estão a ser difundidas on-line a partir da Ustream.TV. Se pretender visionar alguma das sessões gravadas, siga a ligação seguinte: Ustream.TV

0
0
0
s2sdefault

Em linha...

Temos 62 visitantes e 0 membros em linha

Lapsos de memória

Desta feita não sou eu a vítima de "lapsos de memória". Quem parece esquecer a realidade foi quem escreveu, e passo a transcrever, "Para além disso, está a decorrer a consulta para selecção do projectista para o novo estaleiro municipal, ou seja o ‘Batanete’. A ideia da câmara é passar os serviços do estaleiro municipal da zona industrial para a antiga serração, tendo sido para isso que aquele espaço foi adquirido."

Pois bem, meu caro amigo e Sr. Presidente da Câmara, ainda bem que existem registos áudio e vídeo que comprovam que não foi assim, exatamente, que as coisas se passaram. Poderia também referir as atas das reuniões da Câmara Municipal, porém, no exato momento em que referi que "... ainda se fosse para lá instalar o estaleiro municipal, pelo menos assim ainda haveria uma justificação do propósito..." (referia-me, na altura, à aquisição do denominado "Olival do Cemitério", vulgo, Batanete), não ficou registado em ata, se bem que haja bastantes atas subsequentes que já citam aquilo que, por várias vezes, fiz questão de lhe recordar a si e ao então Presidente da Câmara Municipal de Estremoz.

Ainda assim, a ata de 24 de Março de 2010 refere as razões elencadas pelo então presidente para justificar a aquisição, e estas eram: depósito de materiais e deslocação da oficina da cantaria face à intervenção "programada" no Convento de Santo António... (coloquei "programada" entre aspas porque a referida programação, 10 anos volvidos, ainda não aconteceu). Um pouco adiante nesse debate foi a Vereadora Sílvia Dias que referiu a possibilidade de urbanizar o referido olival... hipótese essa que os dois vereadores de apelido Ramalho satirizaram logo referindo a "fantástica vista (de tal urbanização) sobre o cemitério".

Enfim, penso que as verdadeiras razões de tal negócio só o principal proponente as conhecerá... porquanto nenhuma das justificações então dadas, as quais foram enfaticamente atabalhoadas, não mereceram qualquer réstia de verosimilhança. É verdade que me regozijei mais tarde por virarem o bico ao prego e terem acabado por seguir uma sugestão, se bem que "acidental", dada por mim e que acabaria por dar algum sentido à aquisição em si (se bem que nunca pelos valores que foram então despendidos).

E pronto, desabafei. Já não vinha a este site faz tempo (porque ele foi criado noutros tempos...) mas agora achei que era aqui que deveria reagir.

0
0
0
s2sdefault